Inteligência emocional: a base do sucesso pessoal e das organizações

por Ana Lima - 01/03/19 ⇠ Veja outros Posts

Inteligência é a capacidade de compreender e resolver novos problemas e conflitos e de adaptar-se a novas situações. Quando falamos em inteligência emocional estamos nos referindo às pessoas que conseguem com mais facilidade identificar e lidar assertivamente com as suas emoções, especialmente nos momentos de pressão e dificuldade.

Para o “pai” da inteligência emocional, o psicólogo PhD da Universidade de Harvard, Daniel Goleman, ela é a maior responsável pelo sucesso ou pelo fracasso das pessoas. Ele afirma ainda que quem tem qualidade de relacionamento, ou seja, mantém em suas relações a gentileza, a compreensão e a amabilidade, tem muito mais chance de alcançar o sucesso profissional e pessoal. Neste artigo vamos focar na importância da inteligência emocional nas organizações, como ela pode afetar o desenvolvimento profissional e promover o crescimento dos negócios.

A contribuição da inteligência emocional no trabalho

As organizações, através de seus gestores e funcionários, utilizam-se cada vez mais da inteligência emocional em favor dos resultados, metas e objetivos.  Na prática isto quer dizer que as empresas estão buscando maneiras de criar um ambiente coorporativo saudável o suficiente para se trabalhar em harmonia e estimular os seus colaboradores a viverem suas emoções de maneira equilibrada, com engajamento, produtividade, respeito e motivação.

A comunicação é uma importante aliada da inteligência emocional. Se a organização possui uma comunicação de liderança assertiva e transparente, muitos dos problemas organizacionais que estão ligados aos estados emocionais podem ser evitados. Além disto, outra maneira de evitar conflitos entre funcionários e ampliar a produtividade da equipe é por meio do exemplo dos líderes e também através de feedbacks e oportunidades de melhoria para os profissionais.

A inteligência emocional e a liderança

Líderes são emocionalmente inteligentes? Essa pode ser uma afirmativa falsa. Entretanto, bons líderes abraçam diversas características ligadas à essa habilidade. Resolver problemas complexos é papel do líder. Fazer isso de forma harmoniosa com toda a equipe também. Dessa forma, gestores executivos precisam desenvolver capacidades notáveis de comunicação para exercerem suas atividades de liderança com excelência. E isso passa totalmente pelo emocional! E não pense que não é possível se tornar emocionalmente inteligente.

Veja abaixo como é possível estimular o desenvolvimento da inteligência emocional e aumentar a qualidade de vida no trabalho.

Como desenvolver inteligência emocional

 É inegável que conhecimento técnico e a Inteligência Mental (QI) são importantes, mas eles não são suficientes se o profissional não é capaz de se auto gerenciar, de lidar com os desafios diários da empresa e não consegue trabalhar em equipe sem dificuldade. A seguir algumas dicas de como desenvolver a sua inteligência emocional – esta poderosa habilidade e conquistar cada vez mais sucesso em sua trajetória.

Olhe para si mesmo: autoconhecimento

Um dos aspectos mais importantes na busca da inteligência emocional é o autoconhecimento. Existem inúmeras jeitos de se conhecer, entre eles ter um coach, um terapeuta ou simplesmente um olhar atento para si mesmo. É fundamental reconhecer as suas emoções e sentimentos e entender como eles afetam o seu comportamento e os seus pensamentos. Se você é capaz de reconhecer o que sente, provavelmente não ficará tão vulnerável às suas emoções e terá mais controle no momento em que elas vierem à tona.

Mantenha o autocontrole

Respirar fundo e contar até dez em momentos difíceis às vezes não é uma tarefa fácil, porém é essencial se a ideia é praticar novos hábitos. Aprenda a lidar com as suas emoções e controlar os impulsos, mas atenção, não confunda inteligência emocional com suprimir os seus sentimentos. O mais sensato é buscar o equilíbrio entre eles e dosá-los de maneira controlada e correta.

Desenvolva a empatia

Quando nos tornamos empáticos, a nossa comunicação melhora, pois passamos a enxergar a situação também com os olhos dos outros. A empatia é uma característica marcante nas pessoas que possuem inteligência emocional bem desenvolvida. Ao ouvir o colega de trabalho, por exemplo, e tentar se colocar no lugar dele e imaginar o que ele está sentindo, o respeito cresce, os conflitos diminuem e abre-se espaço para colaboração e uma melhor relação.

Crie motivação, ou melhor, automotivação!

Ame o que você faz! Se você está motivado e sente prazer no trabalho, sem dúvidas será muito mais fácil manter a calma nos momentos de estresse. Independente da recompensa financeira ou do status social que sua atividade gera, mantenha acessa a paixão e a vontade de continuar exercendo seu ofício, pois é daí que virá o estímulo e a disposição para enfrentar os problemas do dia a dia.

Cultive as relações

Procure ser gentil e simpático com as pessoas que estão a sua volta e estabeleça vínculos de troca com elas. Boas relações interpessoais garantirão um ambiente positivo que irá melhorar não só a sua qualidade de vida como a de todos que estão ao seu redor. Se relacionar é em certa medida administrar os sentimentos dos outros, sendo capaz de gerir e lidar com grupos de pessoas e influencia-las positivamente.

Pratique responder

Procure responder de acordo com os seus sentimentos e não reagir. A reação parte de um gatilho emocional e inconsciente, já o ato de responder é um processo consciente no qual você compreende como se sente e, a partir disso, decide como quer se comportar.

Dialogue com seu estresse

Para isso é fundamental compreender quando você se estressa e quais são as técnicas de combate a este mal que funcionam para você, pois o estresse sobrecarrega o corpo e a mente, prejudicando a sua compreensão das situações e impedindo que você se comunique com clareza sobre o que está sentindo e necessitando.

A comunicação é a base da inteligência emocional

Muitas vezes o que você diz pode ter muito menos importância para o outro do que como você diz. Para ser um bom comunicador é necessário muito mais do que dominar a comunicação verbal. É preciso estar ciente e ter controle da linguagem corporal, pois a maneira como você diz, os gestos que faz e como é feito o contato visual são sinais de como você se sente e como estão as suas emoções.

As competências para conquistar inteligência emocional podem ser aprendidas por qualquer pessoa, em qualquer lugar, gerando um equilíbrio produtivo positivo em quem a pratica e também para os que estão ao seu redor. Mas uma coisa é certa, não adianta apenas ler sobre esta habilidade, ela só se desenvolve se você a praticar em sua vida cotidiana.

E aí, gostou do artigo? Agora que você terminou de ler que tal colocar a mão na massa e experimentar as dicas que te passamos para alcançar essa poderosa chave de sucesso? Compartilha conosco!

Ana Lima

Deixe seu Comentário

Você também pode se interessar