Pesquisa de pulso: você já avaliou o pulso da sua empresa?

por Ana Lima - 05/10/18 ⇠ Veja outros Posts

Você certamente já teve dúvidas, ainda que passageiras, sobre que rumo tomar nos negócios. Também já deve ter pesado nessa balança o grau de motivação da equipe, a disposição geral para se atingir metas e as últimas tendências do mercado.

No entanto, se final das contas, acabou desconsiderando todos esses elementos em função da falta de tempo hábil e da necessidade de se obter resultados satisfatórios a qualquer custo, talvez você ainda não conheça as vantagens de se realizar a chamada pesquisa de pulso na sua organização.

Neste post, você vai aprender a tirar o máximo proveito dessa ferramenta que, a cada dia, vem sendo adotada por gestores, diretores e CEO’s em busca de uma alta performance. Confira.

Por dentro da pesquisa de pulso

Como o próprio nome metaforicamente já indica, a pesquisa Pulse provê a checagem momentânea do pulso da organização, tal como se ela fosse um organismo. Por ser mais simples, rápida e, em alguns casos, até mesmo mais objetiva que a pesquisa de Clima Organizacional, a pesquisa de pulso tem sido uma alternativa cada vez mais recorrente face a dilemas da gestão.

A pulse é uma espécie de recorte tão mais usado pelas empresas que querem entender e mapear certas tendências ou mesmo corrigir a trajetória dos projetos, de modo a trazer à luz o ponto de vista dos colaboradores acerca de algum tópico, como lideranças problemáticas, falta de transparência e ruídos na comunicação.

As 4 principais características da pesquisa de pulso

Decodificar com rapidez todas as métricas corporativas se transformou na premissa para que as organizações sejam bem-sucedidas. Nesse contexto, quanto maior é a empresa, consequentemente maior a complexidade de processos. Assim,  qualquer intempérie tende a se tornar um desastre caso seja não seja notada em tempo hábil, além de resolvidos com ações eficazes, e isso motivou o desenvolvimento da metodologia da pesquisa de pulso, que compreende:

  • o tópico ou tema específicos a serem apurados;
  • menor tempo para preenchimento do formulário ;
  • questões claras e objetivas;
  • apanhado de dados descomplicado.

Como aplicar a pesquisa pulse na sua organização

Além de fornecer respostas rápidas, outra enorme vantagem da pesquisa de pulso é relacionada a sua aplicação simplificada. Ou seja, basta que o gestor determine qual a dúvida deseja sanar, formulando perguntas com o auxílio dos demais gestores das áreas e do departamento de RH voltadas para um grupo anônimo dentro da empresa. Finalizada essa etapa, um programa dispara os e-mails o link do formulário para o grupo especificado – hoje em dia, apps específicos e o “Google Forms”, são alguns dos recursos mais utilizados, mas é recomendável contar com consultorias especializadas para a realização desse trabalho.

Ademais, a tecnologia e a usabilidade utilizadas para a realização de uma pesquisa de pulso implica em ganhos de escala e abrangência. Trata-se de uma realidade da qual não se pode mais fugir, na qual questionários são disparados automaticamente para colaboradores que respondem mediante cliques nos próprios celulares, enquanto dados são carregados em tempo real, com um painel que compila todos os dados gerados pelo sistema.

O pulso na prática

As perguntas da pesquisa de pulso tendem a variar muito e podem, inclusive, serem questões abertas, perguntas de múltipla-escolha ou por meio de uma escala de classificação. Nessa última, as possíveis respostas a serem usadas em relação a declarações específicas são, por exemplo:

  • “Concordo fortemente,”
  • “Concordo”,
  • “Não concordo”,
  • “Discordo fortemente”. 

A partir da compilação de todos esses dados, uma espécie de representação visual do grau de satisfação dos empregados em relação às questões colocadas então pode ser semelhante a picos ou linhas planas de um monitor de pulso médica. Os dados podem, também, serem categorizados de maneiras específicas para mostrar as respostas dos colaboradores de determinado setor, departamento ou mesmo em relação à faixa salarial. 

Pesquisa de Pulso ou Pesquisa de Clima Organizacional: qual devo usar?

Enquanto a pesquisa de clima organizacional é uma ferramenta estratégica para que os profissionais de Recursos Humanos identifiquem (ou pelo menos se aproximem), por meio de uma série de exames, a percepção das pessoas sobre o ambiente de trabalho da empresa, a pesquisa de pulso se refere a questões mais específicas e sensíveis, que não costumam se sobressair na rotina da companhia. O ideal, para a saúde da organização, é que se façam ambas com uma efetiva frequência, porém, devido a custos, cabe ao gestor determinar qual delas se aplicará melhor para a resolução de determinada questão.

Ainda com relação à frequência, saiba que, quanto mais questões você quiser apurar, mais pesquisas de pulso vai aplicar, por isso os formulários serão menores e melhor direcionados para grupos específicos. Ou seja, enquanto a Pesquisa de Clima Organizacional deve ser aplicada em intervalos de tempo pré-determinados, você pode lançar mão das pesquisas de pulso na proporção que as questões pontuais forem surgindo.

Por que, afinal, medir o pulso da sua equipe?

Quando nos debruçamos sobre cases de empresas bem sucedidas, não raro constatamos que a causa desse sucesso se ancora sobre colaboradores produtivos e engajados, os verdadeiros “pulsos” de qualquer organização, fundamentais para o crescimento e atingimento de metas.

Por isso, não só recrutar, como reter os melhores profissionais do mercado torna-se o ponto diferencial entre as empresas que são competitivas e relevantes e aquelas que somente coexistem (ou sobrevivem) no mercado. Sendo assim, setores de RH se tornaram estratégicos nos últimos a fim de “medir” o grau de satisfação dos colaboradores, de modo a reduzir a rotatividade e reter talentos – que, eventualmente, poderiam estar incomodados com uma ou outra questão, sendo tentados a deixar a empresa da noite para o dia em busca de reconhecimento e/ou remuneração melhor.

Por falar em remuneração, nem todo o fator motivacional das equipes está atrelado à remuneração. Há fatores extrassalariais importantes internamente nas equipes, como relação com seus líderes, oportunidade de desenvolvimento de projetos e ambiente de trabalho, como podemos ver na pesquisa da McKinsey.

Bem, mas não basta apenas ficar por dentro dos benefícios que a pesquisa de pulso pode trazer para a sua empresa, é preciso aplicá-la na prática, como majors de vários setores vêm fazendo. Se precisar de orientação na hora de implantar, saiba então que a Mereo possui um time de consultores experientes sempre pronto para auxiliá-lo com diversas soluções, além, de claro, contar com recursos de primeira linha da plataforma de gestão da Mereo.

Ana Lima

Deixe seu Comentário

Você também pode se interessar